sexta-feira , 19 Janeiro 2018
Home / Saúde / Temer desmonta programa de saúde mental que era modelo para o mundo, indigna-se Valmir
O deputado federal Valmir Assunção - FOTO Agência Câmara

Temer desmonta programa de saúde mental que era modelo para o mundo, indigna-se Valmir

Uma decisão do governo do presidente Michel Temer (PMDB) pode fazer com que pacientes com transtornos mentais voltem a ser internados em hospitais psiquiátricos no Brasil. Para o deputado federal Valmir Assunção (PT-BA), o desmonte de um dos programas de saúde mental mais bem-sucedidos do mundo e que era modelo para diferentes países tem preocupado ativistas e profissionais da área. O governo passa a limitar os recursos para unidades que trabalham com a reinserção psicossocial de pessoas, como serviços residenciais terapêuticos, e passa a aumentar o gasto com hospitais psiquiátricos. Nesta sexta-feira (15), o parlamentar petista disse que o Ministério da Saúde agiu à revelia e não considerou nem mesmo a Comissão Intergestores Tripartite (CIT) do Sistema Único de Saúde (SUS) nem os órgãos envolvidos.

“Na última reunião da CIT [realizada na quinta, 14 de dezembro, em Brasília] não houve sequer debates. As mudanças na política de saúde mental foram aprovadas por meio de uma portaria do Ministério da Saúde. Isso é de um atraso sem tamanho, não ouviram a classe. Todos estão horrorizados, essa portaria vai impor sérios retrocessos no tratamento de pacientes com transtornos mentais e a usuários de álcool e drogas. O temor agora é que retorne as internações de pessoas com transtornos em hospitais psiquiátricos. Precisamos é reforçar os laços familiares e em comunidades para modificar o que não deu certo todo esse tempo de dor e sofrimento das famílias. Não tem como Temer agir sempre dessa forma, é preciso reagir urgentemente”, pontua Valmir.

A portaria do Ministério da Saúde é considerada a maior ameaça à política de saúde mental desde 1990. Conforme relatos de ativistas, as mudanças afrontam os direitos humanos e a reforma psiquiátrica antimanicomial que o Brasil adotou. O Conselho Federal de Psicologia (CFP), a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e a Procuradoria Federal dos Direitos dos Cidadãos (PFDC) também já se manifestaram contra. De acordo com eles, “a proposta ressuscita o financiamento de ambulatórios de saúde mental, sobrepostos aos serviços comunitários existentes”, como os extra-hospitalares, que ajudam a homens e mulheres encontrarem a saúde mental e a felicidade onde podem estar, vivendo o cotidiano com liberdade.

Ascom do deputado Valmir Assunção

Vitor Fernandes

Comentários com Facebook

comentários

Sobre Ipitanga

Ipitanga, rio vermelho para os índios. RMS Notícias by Lauro de Freitas. Curta!

Veja Também

Bactérias de tuberculose resistentes a antibióticos desafiam combate à doença

Enquanto os países de todo o mundo buscam meios para eliminar a tuberculose como principal ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *