sábado , 24 Fevereiro 2018
Home / BRASIL / STF julga mais de 120 mil processos em 2017 e reduz acervo
Foto José Cruz/Agência Brasil

STF julga mais de 120 mil processos em 2017 e reduz acervo

Em balanço apresentado na sessão plenária que encerrou o Ano Judiciário 2017, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou que foram julgados em 2017 pelo STF 123.008 processos, destes, 12.503 em sessões colegiadas e mais de 100 mil em decisões monocráticas dos ministros. A ministra destacou que uma das grandes conquistas dos trabalhos da Corte foi a diminuição do acervo do Tribunal para menos de 50 mil processos.

No início do ano, o acervo contava com 57.995 processos e, mesmo com o Tribunal recebendo mais de 42 mil novos recursos, o acervo final foi reduzido e ficou em 44.832 processos. “É preciso que se lembre que há alguns anos o Supremo chegou a ter 150 mil processos”, destacou.

Apesar do número de decisões proferidas, a presidente ressaltou que a demanda é expressiva. “O cumprimento do princípio da razoável duração do processo está longe de ser obtido. Os números mostram que o trabalho é quase impossível de ser vencido com este volume”, disse. O Supremo recebeu, no ano, 15.416 processos originários e 42.579 recursos.

O Plenário se reuniu 81 vezes, em 37 sessões ordinárias e 44 extraordinárias e julgou 2.131 processos. Cada gabinete de ministros recebeu, em média, 5.540 processos, número um pouco menor em relação ao ano passado. O Plenário Virtual reconheceu a repercussão geral em 50 recursos extraordinários.

Agradecimentos

Após a apresentação dos números, a ministra Cármen Lúcia agradeceu aos ministros pelo esforço e dedicação durante o ano de trabalho. Em nome do Tribunal, agradeceu também ao Ministério Público pela celeridade e preferência que deu a demandas importantes para o país.

A presidente homenageou, de forma especial, a classe dos advogados, à qual chamou de “o grande fautor do direito no Brasil”. A ministra destacou que os advogados lutam as grandes lutas que o juiz não pode lutar, em razão dos limites da lei. “O advogado brasileiro tem sido historicamente um dos maiores construtores da democracia a garantidores do Estado Democrático de Direito do Brasil e o maior parceiro, seguramente, do Poder Judiciário brasileiro”, disse.

Para o próximo ano, a presidente fez votos que o Brasil seja um país com mais justiça, solidariedade e tolerância. “O nosso colegiado, sendo um grupo de pessoas com compreensões diferentes, que sejamos capazes de nos compreender para darmos exemplos da compreensão que precisa prevalecer em todo o Brasil”.

Como mais antigo presente em plenário, o ministro Marco Aurélio, em nome dos demais ministros do Supremo, agradeceu e elogiou a coordenadoria dos trabalhos pela presidente, “sempre com muita propriedade e urbanidade”.

Também parabenizaram o Supremo e os trabalhos da presidente, o vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, a advogada-geral da União, Grace Fernandes Mendonça, o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro e o presidente da ordem dos Advogados do Brasil, Claudio Lamachia.

Comentários com Facebook

comentários

Sobre Ipitanga

Ipitanga, rio vermelho para os índios. RMS Notícias by Lauro de Freitas. Curta!

Veja Também

Bancos reabrem ao meio-dia; contas que venceram no carnaval podem ser pagas hoje

Após o feriado de carnaval, os bancos abrirão hoje (14) a partir das 12h. As ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *