quinta-feira , 14 dezembro 2017
Home / RMS / Itaparica / Hoax: Alerta de cobra venenosa em Itaparica
Foto: Divulgação

Hoax: Alerta de cobra venenosa em Itaparica

“Olha a cobra! É mentira”. O Centro de Informações Antiveneno (Ciave), órgão da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) referência em toxicologia, emitiu um alerta para rebater um boato que tem circulado na internet, sobre uma nova espécie de cobra que estaria levando risco a banhistas na ilha de Itaparica. Segundo Jucelino Nery, farmacêutico do Ciave e coordenador do Programa de Acidentes por Animais Peçonhentos na Bahia, a notícia é “fake”, ou seja, uma notícia falsa. De acordo com o órgão, o vídeo divulgado nas redes mostra uma víbora do Deserto do Saara, inexistente no Brasil. Além disso, a Sesab informa que os serviços de vigilância epidemiológica dos municípios de Itaparica e Vera Cruz não registraram o suposto aparecimento da cobra.

Ainda de acordo com Jucelino Nery, no Brasil existem apenas quatro gêneros de serpentes peçonhentas: Bothrops (que são as jararacas), responsáveis por cerca de 90% dos acidentes ofídicos; Crotalus (as cascavéis), cerca de 8% das ocorrências; Lachesis (as surucucus), correspondentes a 1,5%; e o Micrurus (as corais), responsáveis por 0,5% dos acidentes. Em caso de picada por qualquer animal peçonhento, ele orienta que a vítima deve ser encaminhada para uma unidade de saúde para o tratamento adequado, alertando que não se deve passar nada além de água e sabão no ferimento, e muito menos usar torniquete, fazer cortes ou sugar o local da picada.

O Ciave conta com uma equipe de plantão 24 horas por dia, que pode ser contatada através do número 0800 284-4343.

Veja o vídeo do Hoax:

Hoax é uma palavra em inglês que significa embuste ou farsa.

Comentários com Facebook

comentários

Sobre Ipitanga

Ipitanga, rio vermelho para os índios. RMS Notícias by Lauro de Freitas. Curta!

Veja Também

Qualifica Bahia certifica 680 trabalhadores de Salvador e Dias D’Ávila

Uma concorrida solenidade, nesta terça-feira (12), marcou a certificação de 680 trabalhadores e trabalhadoras de ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *