sexta-feira , 19 Janeiro 2018
Home / RMS / Carnaval de Salvador: Sem regulamentação, 2 mil mototaxistas vão trabalhar padronizados
Mototaxistas vão trabalhar padronizados no Carnaval, antes mesmo de sair a regulamentação do serviço | Foto: Evandro Veiga / Reprodução / iBahia

Carnaval de Salvador: Sem regulamentação, 2 mil mototaxistas vão trabalhar padronizados

Mesmo sem a regulamentação em vigor, os mototaxistas já se preparam para colocar na avenida, neste Carnaval, o bloco dos amarelinhos. Dois mil mototaxistas estarão uniformizados, com capacete e coletes amarelos, em cima de motos da mesma cor.

O secretário de Mobilidade de Salvador, Fábio Mota, informou na terça-feira (7) que está liberada a atuação dos profissionais no Carnaval. Segundo ele, o regulamento que estabelece as normas para a oferta do serviço sairá antes da folia. Porém, os alvarás só devem ser liberados depois da festa, quando será publicado um edital de chamamento público. Por isso, a Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob) não vai coibir o serviço de mototáxi no período.

“No Carnaval, a Transalvador e a Semob vão enumerar áreas onde os mototaxistas poderão ficar. Vamos fiscalizar documentação, uso de capacete e tudo o mais que estiver na lei de trânsito”, disse Mota, ontem, durante a inauguração dos postos de informações sobre trânsito e transporte no Carnaval.

Apesar da autorização, o secretário explicou que a pasta não poderá disciplinar o serviço no período por falta de legislação. “Não tem nada regulamentado ainda. Não temos como definir nem a tarifa”, explicou, acrescentando que a novidade deste ano é que a prefeitura vai criar áreas específicas para as motos, mas que também não foi definida ainda.

Ainda há outras fases antes de a fiscalização começar, mas os mototaxistas já estão se antecipando à publicação das normas no Diário Oficial do Município (DOM). “Os mototaxistas já vêm se preparando há dois anos, e o Carnaval vai ser a estreia. Acabou a bagunça. Mototaxista agora é uma profissão e vamos pedir à população que pegue o mototáxi regulamentado, porque tem passageiro sendo assaltado e até caindo da moto”, promete o presidente da Associação dos Mototaxistas Profissionais do Estado da Bahia (Asmob), Adailson Couto, mais conhecido como Dragão.

No ano passado, a Semob elaborou um projeto ao qual seriam adicionadas sugestões. Para isso, foram realizadas duas audiências públicas, sendo a segunda delas em dezembro. Uma das principais propostas é que os passageiros deverão receber, obrigatoriamente, uma touca descartável para usar debaixo do capacete. Segundo a associação, o capacete do passageiro será vistoriado pela Vigilância Sanitária a cada três meses.

Mas a lista é grande: para ser um dos 3,5 mil mototaxistas regularizados, é preciso ter uma moto de 125 a 250 cilindradas com padronização amarela. Pode ser pintada ou plotada de amarelo, desde que o Detran tenha autorizado. Além disso, os motoristas vão usar uma camisa amarela – com proteção contra raios ultravioleta (UV) – e um colete, também amarelo. A própria moto terá que ter um “colete” no banco, para proteger dos raios solares. A placa da motocicleta deve ser vermelha.

Tanto no colete quanto no capacete e na moto deverá constar o número do alvará, indicado pela Semob, de cada mototaxista. Existe, ainda, a obrigação de um seguro de vida para o passageiro e o motorista. O valor, segundo a associação, pode chegar a R$ 12 mil. Todos devem passar por um curso de 30 horas, específico para mototaxistas, oferecido pelo Detran e por 11 escolas credenciadas em Salvador. Em todo o estado, são 58.

O curso inclui desde a legislação de trânsito e noções de primeiros socorros até atendimento ao cliente. Desde 2015, mais de 1,5 mil mototaxistas já passaram pela formação. “No Detran é gratuito, mas disponibilizam poucas vagas. Como tem muita demanda, não está tendo vaga, até porque tem o pessoal de cidades como Camaçari, Dias D’Ávila e Simões Filho que também precisam fazer o curso”, explica Adailson. O órgão estadual de trânsito tem uma turma de 35 alunos por mês.

No Carnaval, ele diz que vai ser apenas para que Salvador conheça a futura operação dos mototaxistas na cidade. Por isso mesmo, a tarifa nem foi definida – isso só deve acontecer depois da festa. “No Carnaval, cada um dá um valor e o cliente aceita se quiser. Mas o atendimento será diferenciado e não aquela bagunça que é durante a festa”, afirma. A estimativa é de que cobrem um fixo de R$ 2, com o acréscimo de R$ 1,60 por quilômetro rodado.
Com o iBahia.

Comentários com Facebook

comentários

Sobre Ipitanga

Ipitanga, rio vermelho para os índios. RMS Notícias by Lauro de Freitas. Curta!

Veja Também

‘Só defensor dos direitos humanos está no nosso grupo de WhatsApp’, Pastor Antonio Jorge do CDDH

Em contato com o Ipitanga o pastor Antonio Jorge, presidente do Conselho de Defesa dos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *